Follow by Email

quinta-feira, 30 de abril de 2015

AS DOENÇAS DO NOSSO SÉCULO

AS DOENÇAS DO NOSSO SÉCULO O mundo, vivendo distante do Deus que sara (Ex.15:26), é e sempre será doente física, moral e espiritualmente. INTRODUÇÃO - Neste trimestre, estudaremos as “doenças do nosso século”, ou seja, alguns dos males que têm afligido a humanidade e levado o mundo que nos cerca, apesar de todo o progresso tecnológico e material, a um estado de grande sofrimento, sofrimento este que cresce a cada instante. - O mundo é doente porque rejeitou se submeter a Deus e a Igreja, que é o povo que aceitou servir a este Deus, precisa estar consciente dos males que afetam o mundo, pois só ela pode oferecer o único remédio que cura todas estas enfermidades: Jesus Cristo. I – O “NOSSO SÉCULO” E SUAS DOENÇAS - O tema de nosso trimestre é “As doenças do nosso século: as curas que a Bíblia oferece”. Notamos, portanto, que, de pronto, torna-se necessário esclarecer o que significa “o nosso século”, até porque, numa leitura apressada, podemos ficar com a impressão de que estamos tão somente a falar do “século XXI”, que é o século em que estamos no calendário gregoriano, o calendário que é adotado universalmente. - No entanto, quando vamos ao dicionário, notamos que a palavra “século” tem um sentido primeiro que vai muito além da indicação de um período de cem anos, como estamos acostumados a pensar. No Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, vemos que o primeiro significado de século é “o mundo, a vida terrena”, significado este que também leva aos de “a época em que se vive, o tempo presente”. “o tempo considerado sob um ponto de vista indeterminado”. Era este, aliás, o significado dado em latim para a palavra “saeculum”, que é origem evidente deste vocábulo em língua portuguesa. - Quando vemos a palavra “século” na Bíblia Sagrada, na Versão Almeida Revista e Corrigida, observamos que é neste significado original que a palavra é utilizada. Surge, pela vez primeira, em I Cr.16:36, na expressão “século em século”, precisamente para dar a conotação de Deus está fora da dimensão temporal, que Deus está associado à eternidade, ao contrário do ser humano, expressão que se repete em Sl.41:13. Também, em Is.34:10; Jr.7:7 e 25:5, a expressão é utilizada pelos profetas para indicar promessas duradouras e eternas da parte de Deus, seja para o bem de Seu povo, seja para o mal dos inimigos do povo de Deus. - Em Ec.9:6, encontramos o uso da palavra “século” no significado próprio de “vida terrena”, deste mundo, o que não é de se espantar pois é o livro de Eclesiastes o livro do Antigo Testamento que cuida da chamada “vida debaixo do sol”, ou seja, da vida sob a perspectiva de nossa existência terrena. No mencionado versículo, o pregador está a dizer que os mortos, nesta vida, são esquecidos e não têm parte alguma neste mundo, ou seja, “neste século”. - A palavra hebraica utilizada para “século” é “ ’olam” (???), cujo significado é tanto um período de duração indeterminada, período de longa duração, quanto o de “este mundo”, esta existência terrena, tanto que o “mundo-do-além”, o mundo após a morte física, o que denominamos de “eternidade” é o que os israelitas denominaram de “ ‘olam ha-ba”. “ ‘olam”, portanto, tem nitidamente o significado desta existência terrena, deste período indeterminado em que passamos “debaixo do sol”. - Em o Novo Testamento, temos a repetição da mesma idéia já apresentada seja no latim, seja no hebraico, na palavra grega “aion” (????), referindo-se, sempre, a esta atual existência terrena, ao “mundo-do-lado-de-cá”, que difere do “mundo-do-lado-de-lá”, chamado nas Escrituras de “século futuro” ou “vindouro” (Mt.12:32; Mc.10:30; Ef.1:21; Hb.6:5). -O “mundo-do-lado-de-cá” é contrário aos ditames divinos, está em rebeldia contra Deus, tanto que Paulo considera que os “entendidos” deste “século” são considerados loucos diante de Deus (I Co.1:20), trata-se de um “século” mau (Gl.1:4), já que dominado pelo adversário de nossas almas, chamado de “deus deste século” (II Co.4:4), que comanda os “príncipes das trevas deste século”, que estão em constante luta contra os servos do Senhor (Ef.6:12). Por isso, amar o presente século é afastar-se de quem serve a Deus (II Tm.4:10). Apesar de tudo, porém, embora não pertençam nem sejam coniventes com este século, os servos de Deus nele vivem, ainda que se forma distinta dos demais homens (Tt.2:12). - O “século”, pois, nada difere do “mundo” mencionado muitas vezes nas Escrituras, não o “mundo físico”, mas o “mundo espiritual”, o sistema organizado que contraria a Deus, capitaneado pelo diabo e que domina os homens que, por sua livre e espontânea vontade, não se submetem ao Senhor. Já no Sl.17:14, o salmista nos adverte a respeito dos “homens do mundo, cuja porção está nesta vida”, cujo livramento Davi está a implorar a Deus. Tem-se, pois, que o “mundo” tem uma perspectiva única e exclusiva desta vida debaixo do sol, desprezando por completo a eternidade. - Este “século”, como já se viu, é caracterizado pela maldade. O profeta já dizia que o Senhor visitaria sobre o mundo a maldade e, sobre os ímpios, a sua iniqüidade (Is.13:11). Vê-se, portanto, que o “presente século”, o “nosso século” do tema deste trimestre, é um lugar onde reinam a maldade e a iniqüidade, ou seja, o pecado (I Jo.3:4). - Ora, por haver pecado neste mundo, temos que os seus habitantes estão sob o domínio deste pecado (Gn.4:7), pois quem comete pecado é servo do pecado, como nos ensinou o Senhor Jesus (Jo.8:34). Ora, o domínio do pecado traz ao mundo uma situação extremamente difícil, porquanto o salário do pecado é a morte, ou seja, a separação de Deus. - Sendo Deus Aquele que traz ao homem sentido para a sua existência, pois o homem foi criado para servir a Deus e, neste serviço, alcançar a felicidade, vemos que o “presente século” nada pode oferecer de bom ao homem, visto que nada que estabeleça pode sequer trazer ao homem sentido para a sua vida. Não é por outro motivo, aliás, que o pregador, ao tratar da “vida debaixo do sol”, chega à conclusão de que “tudo é vaidade” (Ec.12:8), ou seja, há um vazio de sentido, um vazio de significado em que tudo o que se faz ou se pratica dentro do “século”, tanto que o apóstolo Pedro não titubeia em afirmar que o modo de vida no “século” é uma “vã maneira de viver” (I Pe.1:18), i.e., um modo de viver vazio, sem qualquer significado. - Quando criou o homem, Deus o pôs num jardim, onde Deus fez brotar “toda a árvore agradável à vista, e boa para comida, e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal” (Gn.2:9). Nota-se, pois, que Deus estava sumamente interessado em que o homem tivesse uma vida feliz e regalada, um bem-estar físico, psíquico, moral e espiritual. Com efeito, Deus havia tomado o cuidado de o homem se sentir bem do ponto-de-vista psicológico (“agradável à vista”), do ponto-de-vista físico (“boa para comida”), do ponto-de-vista espiritual (“árvore da vida”) e do ponto-de-vista moral (“árvore da ciência do bem e do mal”). Havia, assim, uma completa harmonia, um bem-estar que traduzia um estado de saúde. Sim, pois, quando vemos o Estado eterno, o resultado da obra expiatória de Jesus, vemos que, na Jerusalém celestial, as folhas da árvore da vida são para “saúde das nações”, a indicar, pois, que, na vida com Deus, há saúde. Mas o que é saúde? - Diz o dicionário que saúde é “estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para a forma particular de vida (raça, gênero, espécie) e para a fase particular de seu ciclo vital”. Ora, para que se possa falar em “saúde” no aspecto que estamos a tratar, é necessário que o homem, criado para viver em comunhão com Deus, esteja, efetivamente, em comunhão com Ele e isto somente ocorre quando não há pecado, pois os pecados fazem divisão entre o homem e Deus (Is. 59:2). - A saúde, ademais, é um “equilíbrio dinâmico”, ou seja, é algo que tem de permanecer ao longo do tempo, que não é estático, mas que se renova a cada dia, a cada instante, em que se cumprem os objetivos e finalidades estabelecidos para aquele determinado organismo. Não é por outro motivo que toda viração do dia, Deus vinha ao encontro do homem, para que, assim, dia após dia, o homem cumprisse o propósito de servir a Deus e dominar a criação terrena, num equilíbrio dinâmico. - O mundo, porém, nascido da entrada do pecado, no exato instante em que o primeiro casal quis ser igual a Deus, ou seja, independente do Senhor, não pode ter “saúde”. Muito pelo contrário, o “nosso século” é caracterizado pela presença da “doença”. Doença é “alteração biológica do estado de saúde de um ser (homem, animal etc.), manifestada por um conjunto de sintomas perceptíveis ou não”, “alteração do estado de espírito ou do ânimo de um ser”. Houve uma modificação no plano original de Deus para o homem e, por isso, com a entrada do pecado e a criação do “presente século”, temos um universo marcado pela “doença”, palavra que vem do latim “dolentia”, que é “aquilo que causa dor, que aflige”. - “Doença” é o que causa dor, que causa sofrimento, que causa aflição. É isto que temos no mundo, como o próprio Jesus deixou claro ao afirmar que “no mundo tereis aflições” (Jo.16:33). Salomão, também, ao descrever a “vida debaixo do sol”, mais de uma vez mostrou que ela se caracteriza pela presença de “aflição de espírito” (Ec.1:14,17; 2:11,17,26; 4:4,6,16; 6:19), expressão que quase sempre está associada à “vaidade” de que falamos há pouco. - Se no mundo temos aflições, isto revela que o mundo é repleto de “doenças”, pois tudo, no mundo, está alterado, modificado em relação ao plano originalmente estabelecido pelo Senhor. Não surpreende, pois, que o “nosso século” tenha doenças. No entanto, se o “presente século” é mau, repleto de doenças, devemos também nos lembrar que estamos neste mundo, mas dele não somos (Jo.17:14,16). Desta maneira, não podemos ser doentes, visto que, enquanto o mundo está em trevas, nós estamos na luz e, portanto, nossas obras não podem ser más, mas, sim, devem ser boas (Jo.3:19-21). - Assim, embora tenhamos de identificar as doenças que existem no “presente século”, não podemos nos deixar contagiar por tais enfermidades, pois, como se sabe, contágio é “transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto”. Ora, Jesus nos ensinou que devemos sempre viver em santificação, ou seja, separados do pecado, separados deste mundo, embora estejamos nele. - “Contágio” vem da palavra latina “contagium”, que tem o significado de “união”, “participação”. Por isso, é dito, nas Escrituras, que não podemos amar mais as trevas do que a luz, mas devemos vir para a luz, se, realmente, praticamos a verdade. Não há comunhão entre a luz e as trevas (II Co.6:14), de sorte que, num mundo repleto de doenças, devemos viver de tal maneira que não nos deixemos contaminar pelas doenças, não sejam atingidos pelo contágio, pois “o príncipe deste mundo” nada tem em nosso Senhor (Jo.14:30). - Por isso, quem ama o mundo, o amor do Pai não está nele (I Jo.2:15) e amar o presente século, como fez Demas, leva o homem a se afastar do Senhor e de Seus imitadores (I Co.11:1; II Tm.4:10). Devemos manter uma saúde espiritual, para tanto não só aceitando a cura do Senhor, como também evitando adoecer, mediante uma profilaxia eficaz, que são as disciplinas da vida cristã, estudadas no trimestre anterior. - Mas não basta que fiquemos sãos. É indispensável que, para que, inclusive nos mantenhamos saudáveis, levemos a saúde para os que estão a padecer enfermidade no mundo. A missão da Igreja, como luz do mundo, é levar a “luz do evangelho de Cristo” aos que tiveram seu entendimento cegado pelo “deus deste século” (II Co.4:4). Torna-se imperioso que sejamos instrumentos do Espírito Santo para que alguns do mundo sejam convencidos de que o “príncipe deste mundo está julgado” (Jo.16:11), pois, afinal de contas, o Senhor Jesus expulsou “o príncipe deste mundo” (Jo.12:31). - Devemos, como verdadeiros “médicos espirituais”, levar ao “mundo” a cura de suas doenças, que é Jesus Cristo, que venceu o pecado e a morte e que, agora, sentado à destra de Deus, é a propiciação pelos pecados de todo o mundo (I Jo.2:2). Mas, como bons médicos, antes de ministrarmos o devido medicamento, Jesus Cristo, que cura todas as enfermidades e moléstias entre o povo (Mt.4:23; 9:35), que façamos o correto diagnóstico, ou seja, que se distingam as doenças, que sejam elas identificadas. Eis o objetivo deste nosso trimestre: diagnosticar as doenças do nosso século e, assim, termos condição de ministrarmos aos doentes o devido remédio: Jesus Cristo. II – AS DOENÇAS DO PRESENTE SÉCULO - Nosso comentarista identificou três classes de doenças do nosso século. Tal identificação tem a ver com a própria ruptura do relacionamento de comunhão entre Deus e o homem por causa do pecado. Como já dissemos supra, o pecado faz divisão entre o homem e Deus (Is.59:2) e, assim, a comunhão estabelecida entre Deus e Sua imagem e semelhança na terra se desfez. - Ora, o homem, ao ser criado, foi estabelecido como “coroa da criação terrena”, tendo um relacionamento baseado em alguns pontos, a saber: a) tinha uma relação especial e única com o seu Criador, pois foi criado à imagem e semelhança de Deus (Gn.1:26,27). Um ser moral, que sabia discernir o bem do mal, que tinha consciência de servir e adorar ao Senhor, um ser dotado de liberdade. Tinha, pois, um relacionamento singular com Deus. Nasce daí a sua “religiosidade”, pois tinha ele uma “natural inclinação para adorar a Deus”. Não é por outro motivo, aliás, que o primeiro e grande mandamento é “amar a Deus sobre todas as coisas” (Mt.22:37,38) b) tinha uma relação de igualdade e solidariedade com o próximo, pois macho e fêmea foram criados iguais pelo Senhor, ambos foram abençoados e ambos deveriam viver em frutificação espiritual, com reprodução biológica e com capacidade de encher a Terra (Gn.1:27,28). Eram seres feitos para viver em sociedade (Gn.2:18), sem qualquer domínio de um sobre o outro, em completa fraternidade e solidariedade. Não é outra a razão pela qual o Senhor Jesus elevou o amor ao próximo a condição de segundo mandamento, semelhante ao primeiro (Mt.22:39). c) tinha uma relação de perfeita harmonia consigo mesmo (Gn.2:9). Conforme já vimos supra, o homem foi criado num estado de completa harmonia interna, pois a comunhão que tinha com Deus fazia com que seu espírito, o elo de ligação com o Criador, dominasse sobre sua alma e corpo, fazendo-lhe desfrutar da plenitude de sua capacidade (Gn.2:19,20). Jesus fez questão de ressaltar que o amor ao próximo tem de ser equivalente ao amor a si mesmo (Mt.22:39). d) tinha uma relação de domínio sobre a criação terrena (Gn.1:26). O ser humano foi feito para dominar sobre todas as criaturas terrenas, sendo-lhes portanto superior, superioridade que se refletia em completa harmonia com o ambiente que o cercava, tanto que o conservava e dele usufruía para seu deleite. e) tinha uma relação com o Deus eterno e, por isso, a eternidade era uma realidade presente, não havia influência do tempo sobre o homem, cuja mente estava voltada para as “coisas de cima”, para o encontro diário com seu Criador na viração do dia. - Ora, o pecado veio transtornar todo este estado de coisas e o sistema surgido com a entrada do pecado, o “século”, trouxe alterações profundas nesta situação, que é, pois, a origem das doenças que serão o alvo de nosso estudo. Assim, o pecado rompeu o relacionamento entre Deus e o homem e, desta ruptura, surgiram as “doenças religiosas”, ou seja, as tentativas humanas para “religar” o homem a seu papel de adoração, doenças estas que levaram à idolatria (Rm.1:21-23), idolatria que se intensifica nos dias em que vivemos e que cada vez mais se desmascara como adoração explícita a Satanás, o deus deste século, num evidente prenúncio dos dias da Grande Tribulação. - Em II Tm.3:1-5, o apóstolo Paulo traz-nos uma descrição das características dos homens do século, dos “tempos trabalhosos”, predicados que contemplamos em nossos dias como inevitável cumprimento das profecias bíblicas. Vemos, claramente, que os homens deste século estão tomados pelas “doenças religiosas” e, assim, em vez de adorarem a Deus, criam para si ídolos, a começar por eles próprios, pois o presente século não ama a Deus, mas é repleto de homens “amantes de si mesmos”, “avarentos” (e, por isso, idólatras – Cl.3:6), “presunçosos” (verdadeiros “sabichões”, que não aceitam receber a orientação divina), “soberbos” (auto-suficiente, que, portanto, entende não precisar de Deus), “blasfemos” (desrespeitadores da pessoa divina), “profanos” (pessoas que não se interessam pela santidade e, portanto, não querem, de forma alguma, buscar a Deus, que é santo), “mais amigos dos deleites do que amigos de Deus” (e, portanto, como não querem ser amigos de Deus, constituem-se em Seus inimigos – Tg.4:4; I Jo.2:15). - Mas, não é apenas a ruptura do primeiro e grande mandamento que faz com que surjam doenças no mundo, no presente século. Tem-se, também, que, ao ingressar o pecado, o homem perde a solidariedade e fraternidade que tinha com o seu próximo. A fonte do amor ao próximo é o amor a Deus (I Jo.4:20) e, se, com o pecado, não houve amor a Deus, não haverá, igualmente, amor ao próximo. Surgem, então, as chamadas “doenças sociais” ou “doenças interpessoais”, que são males nas relações entre as pessoas, fruto da falta de amor ao próximo. - Em II Tm.3:15, temos as características dos homens do presente século em virtude destas “doenças sociais”. É dito que os homens deste século são “desobedientes a pais e mães”, ou seja, começam por se constituir em inimigos e a desprezar os seres mais próximos de sua geração, que são seus pais. São, também, “ingratos”, ou seja, jamais reconhecem o bem que recebem, vistos como própria obrigação dos outros em relação a si mesmos, fruto do egocentrismo que caracteriza os homens do mundo, que crêem pensar unicamente em si. São homens “sem afeto natural”, ou seja, que não têm qualquer sentimento de misericórdia, de compaixão, que não têm qualquer consideração pelo outro. - As “doenças sociais” manifestam-se, também, na circunstância de serem os homens “irreconciliáveis”, ou seja, não conseguem perdoar nem ser perdoados, alimentando mágoas, rancores e ódios que só tendem a aumentar e que, inclusive, saem da esfera individual para se transformar em lutas de grupos e de etnias umas contra as outras; “caluniadores”, ou seja, acusadores, detratores da honra e da fama alheias, neste particular, tornando-se semelhantes ao diabo (aliás, “caluniador” em grego é “diábolos”), que não cessa de acusar os santos dia e noite (Ap.12:10), pessoas cujo único prazer é matar os seus irmãos, pois o caluniador é, antes de tudo, um homicida (Mt.5:22); “cruéis”, isto é, pessoas que não têm qualquer compaixão ou misericórdia para com o outro; “sem amor para com os bons”, pessoas que não demonstram nenhum sentimento de piedade e que não toleram os que são bons para com o próximo; “traidores”, pessoas que não são desleais, não confiam em ninguém nem permite que ninguém confie nelas; “orgulhosos”, pessoas que só pensam em si mesmas, que são incapazes de levar em conta o outro. - Mas, além da ruptura causada no relacionamento com Deus e no relacionamento com o próximo, os homens deste mundo são pessoas que não amam sequer a si mesmas, que entram em conflito consigo mesmas, pois, se realmente amassem a si próprias, amariam a Deus e ao próximo. Ao se deixarem levar pelo pecado, os homens do presente século passam a “andar segundo a carne” (Rm.8:1) e, por isso, se inclinam para as coisas da carne (Rm.8:5), ou seja, fazem apenas o que lhes manda a natureza pecaminosa (pois isto é que é a carne), natureza pecaminosa que tem como único fim levar o ser humano para a autodestruição. - Surgem, então, as chamadas “doenças intrapessoais” ou “doenças pessoais”, que nada mais são que os males que o homem causa a si mesmo. Na ilusão de se endeusar, no engano de estar fazendo o que lhe apraz e de ter o “máximo aproveitamento da vida”, o homem do presente século destrói-se a si próprio, busca tão somente a aceleração da sua degradação, da sua morte física, cujo único resultado é a sua perdição eterna. Por um caminho espaçoso, por uma porta larga, onde pensa ter se permitido tudo fazer, o ser humano tão somente abrevia a sua existência terrena e dá início a seu sofrimento eterno. - Assim, ao pensar ter que fazer tudo para se sobressair sobre os demais, bem como nada ter que fazer em relação a Deus, os homens do presente século tornam-se “incontinentes”, ou seja, não têm domínio próprio, deixando-se levar por tudo aquilo que a sua natureza pecaminosa os encaminha, que nada mais é que a cobiça desenfreada de satisfação dos desejos pecaminosos (“concupiscência da carne”), a limitação da cobiça às coisas visíveis e que são agradáveis pela aparência (“concupiscência dos olhos”), tornando a visão, fonte de luz, em fonte de densas trevas (cf. Mt.6:22,23), sem se falar na ilusão de que seus desejos podem tornar-se em realidade com o esforço próprio, como se, entre os homens, o querer fosse o efetuar (“soberba da vida”). - Conduzidos pela carne a buscar aquilo que há no mundo (I Jo.2:16,17), os homens do presente século passam a cometer desatinos que só lhes causam males como se pode ver pela imoralidade sexual reinante, causadora de pestes, distúrbios e sofrimentos em diversas áreas da vida humana (desintegração familiar, criminalidade entre outros); pelo uso e abuso crescente de drogas, pelo aumento do tráfico de mulheres e da mercantilização dos seres humanos. - Os homens do presente século são, também, “obstinados”, ou seja, têm seu coração endurecido, estão insensíveis aos seus próprios limites e sentimentos, vendendo-se, não descartando qualquer atitude ou gesto para atingirem fins e propósitos imediatistas. Não medem conseqüências para os seus atos nem sequer perguntam se o que fazem vai ou não prejudicar o outro. Quem apenas a satisfação do prazer imediato, prazer este, aliás, que, não poucas vezes, traz prejuízo aos próprios que desfrutam (que o digam, por exemplo, as doenças decorrentes do uso de drogas). - Por fim, vemos que o homem, feito para ser “coroa da criação terrena”, no mundo é completamente aviltado e desprezado. O presente século não dá ao ser humano qualquer valor, numa completa inversão de valores. Embora seja cada vez mais freqüente falarmos no “princípio da dignidade humana” como elemento norteador do comportamento da humanidade, o que se verifica, porém, é o mais completo desprezo ao ser humano. Recentemente, por exemplo, no Brasil, ao mesmo tempo em que o Supremo Tribunal Federal autorizava o uso de embriões humanos para pesquisa, alguns juízes deram liminares para permitir a ausência de alunos em experiências em que se utilizam cobaias animais, ou seja, o ser humano vale menos do que um animal! - Com o desprezo dado ao ser humano, temos que, no presente século, os homens são “avarentos”, ou seja, amam e adoram o dinheiro, que tem muito mais valor que os homens. Como se costuma dizer, “o dinheiro faz o mundo rodar” e tudo quanto beneficia as riquezas tem proeminência. Este “amor do dinheiro” é a raiz de toda espécie de males e esta doença tem sido uma das que mais contagiam os que estavam servindo ao Senhor (I Tm.6:10). - Mas o presente século também retira do ser humano a eternidade que o Senhor havia posto em seu coração (Ec.3:11 ARA). Os homens deste mundo, diz o salmista, têm sua porção nesta vida, ou seja, não buscam nada mais, nada menos que “as coisas desta vida”, as “coisas deste mundo”. São pessoas que estão embaixo, como disse o Senhor Jesus (Jo.8:23). - Para os homens deste mundo, a vida só significa o comer, o beber e o vestir (Mt.6:31) e, como não conseguem conter-se, bem como são dominados pelo pecado, não se contentam com a mera subsistência e iniciam uma corrida desenfreada em busca da satisfação de tais necessidades, sem qualquer equilíbrio, num estado de conflito interno, onde a carne, que busca a sua autodestruição, gera um sentimento de inquietude e desassossego, a inquietude relatada pelo Senhor no sermão do monte. - Em virtude disto, a mente dos homens não pensa senão nesta existência terrena, no “mundo-do-lado-de-cá”, desprezando, por completo, a eternidade e o que ela representa. Não se importam com o destino de seu ser depois da “vida debaixo do sol”. Por isso, quando alguém aceita a Cristo, não pode ter um tal comportamento, pois, tendo já ressuscitado com Jesus, é nova criatura, não mais pensando nas coisas desta vida, mas, sim, nas “coisas de cima” (Cl.3:1,2). - A falta de perspectiva eterna é um verdadeiro contra-senso, visto que os homens sabem que não podem viver eternamente debaixo do sol, que a morte é inevitável e, então, surge o grande paradoxo do homem do presente século: o de saber que a morte é a angústia de quem vive. Este nó, que os chamados filósofos existencialistas tentaram desatar, não tem sido desfeito, pois é a prova indelével de que o mundo é doente e precisa ser curado. À “angústia da morte” só existe uma solução: Jesus Cristo, Aquele que trouxe para todos tenham vida e vida em abundância (Jo.10:10). - O “século”, ademais, é caracterizado, precisamente, por ser algo submetido ao tempo, algo que é passageiro, que não tem duração. A Bíblia compara a existência do homem à da flor da erva que, de manhã vigorosa e bela, à tarde está seca, murcha e morta (Sl. 90:5,6; Tg.1:10,11; I Pe.1:24), ao conto ligeiro (Sl.90:9). Destarte, voltar-se o homem apenas para este insignificante período de sua existência é um aviltamento sem igual, já que Deus pôs a eternidade em seu coração, causa de toda esta “angústia” de que tanto se fala. - Hoje em dia, poucos são os que pensam na próxima geração, preferindo, antes, ususfruir do “aqui e agora”, quando o correto seria termos nossas mentes para a eternidade que nos aguarda. Este “imediatismo”, inclusive, tem invadido muitas igrejas locais e contaminado a muitos com mais esta doença do século. III – A CURA DAS DOENÇAS DO SÉCULO - Vistas as doenças do século, resta-nos apenas, ainda que de maneira bem introdutória, falarmos sobre o tratamento que se requer para que tais doenças sejam curadas. - Por primeiro, cumpre observar que as doenças, como tudo o que existe no presente século, são, também, temporárias e passageiras. Diz o apóstolo João que “o mundo passa e a sua concupiscência” (I Jo.2:17). Ora, as doenças são conseqüências da própria natureza do mundo, surgiram com o aparecimento do mundo e, portanto, também hão de passar quando o mundo desaparecer. - Isto nos dá grande ânimo, porque, em sendo as doenças passageiras, nós, que aceitamos a Cristo e recebemos a eternidade em nosso coração, sabemos que, em Deus, somos maiores do que tais doenças e, portanto, temos condições de não sermos contaminados com elas e, mesmo se o formos, de alcançarmos a cura. Além do mais, estando livres das “doenças do século”, podemos, também, anunciar a todos os homens deste século que podem eles, também, se libertar de tais doenças, alcançando a cura para suas existências. - As aflições do presente século podem ser vencidas. O próprio Jesus disse que se tivéssemos bom ânimo e seguíssemos Seu exemplo, seríamos tão vitoriosos quanto Ele o foi (Jo.16:33). O apóstolo Paulo também asseverou que a vitória é possível, pois somos mais do que vencedores por Aquele que nos amou (Rm.8:37). O apóstolo João, por fim, foi categórico ao afirmar que a vitória que vence o mundo é a nossa fé (I Jo.5:4). - Quando esteve entre nós em carne e sangue, Jesus andou fazendo bem e curando a todos os oprimidos do diabo (At.10:38), pois, como afirma o apóstolo João, Ele veio desfazer as obras do diabo (I Jo.3:8). Com Seu sacrifício, Jesus julgou este mundo (Jo.12:31) e o derrotou, garantindo-nos a vitória, inclusive sobre a morte (I Co.15:57). - Deste modo, podemos e devemos, assim como o Senhor, pois devemos seguir o Seu exemplo (I Pe.2:21) e ser Seus imitadores (I Co.11:1), durante a nossa existência terrena após o novo nascimento, nossa existência enquanto novas criaturas, andar fazendo bem e curar a todos os oprimidos do diabo. Para tanto, devemos fazer como o apóstolo Paulo, pregar a Cristo e Este crucificado (I Co.2:2). - A pregação do Evangelho, o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê em Jesus, em que se descobre a justiça de Deus de fé em fé (Rm.1:16,17), é o meio pelo qual se leva aos homens do presente século a cura de suas doenças, que é o próprio Jesus. É Jesus quem dá saúde espiritual, moral, psíquica e física para a humanidade. É Ele que, ao restaurar o amor a Deus em nossos corações, criar o amor de Deus em nosso interior, faz com que venhamos a ter o amor ao próximo, a perspectiva da eternidade e o restabelecimento da dignidade da pessoa humana. - A cura das doenças deste século somente vem através da pregação do Evangelho, mensagem esta que outra não é senão a de arrependimento dos pecados e submissão à vontade de Deus. É preciso que nós, que já aceitamos a este Jesus, que já fomos curados das doenças do presente século, levemos o medicamento apropriado e adequado para a cura das almas sofredoras e angustiadas que caminham rapidamente para a perdição eterna. Que não sejamos “médicos faltosos” que, por “omissão de socorro”, contribuamos para que muitos pereçam. Que neste trimestre, venhamos a sentir esta responsabilidade, diagnostiquemos os males deste mundo e ministremos a tempo oportuno o único remédio que os pode curar. Que repitamos ao mundo as mesmas palavras de Pedro a Enéias: “Jesus Cristo te dá saúde” (At.9:34). Amém! Prof. Dr. Caramuru Afonso Francisco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário